O Ukulele

novembro 7, 2019 0 Por João Paulo Araújo

Nesses últimos anos o Ukulele tem sido um instrumento de grande destaque na música internacional, aguçando a curiosidade e o interesse em saber mais sobre ele e aprender a tocá-lo. Na In Concert Academia de Música foi grande o número de alunos interessados em aulas de Ukulele, o que fez com que muito rapidamente estivéssemos prontos, com salas de aulas, instrumentos (Ukulele) e professores aptos para atender esse novo perfil de aluno.

Um grande sucesso, que para muitos foi onde o ukulele se mostrou um instrumento que podeira trazer belas performances musicais tanto no palco quanto na roda de amigos, foi “Somewhere Over The Rainbow” na versão do Havaiano Israel Kamakawiwo’ole (1959- 1997), versão de voz e ukulele apenas.

Como para alguns o ukulele se tornou conhecido a partir daí, muitos imaginaram que fosse um instrumento originário do Havaí, mas isso é um gande engano.

Assim como a Viola Caipira foi trazida ao Brasil pelos portugueses e nós brasileiros desenvolvemos nossa maneira própria de tocar, isso também aconteceu com o Ukulele no Havaí. Foram os portugueses que, para trabalharem em plantações de cana de açúcar, migraram para o Havaí levando consigo esse instrumento singular.

Hoje encontramos esse instrumento sendo tocado em vários estilos musicais. Uma linda versão para ukulele é a de Sir Paul McCartney em que ele toca “Someting” em homenagem a George Harrison.

Basicamente são quatro os tipos de Ukulele, variando tamanho e afinação.

O Soprano é o mais comum, também chamado de Standard. Dos tipos que trataremos aqui este é o de menor tamanho, tendo sua afinação padrão: A, E, C, G (de baixo para cima).

O Concert nada mais é que uma variação do Soprano, pois possui o braço um pouco maior, fazendo com que exista um espaço maior entre os trastes, o que facilita a formação dos acordes na escala, e também um número maior de trastes, aumentando assim sua tessitura.

O Tenor possui um som mais encorpado que o Soprano e o Concert, pois o tamanho do seu corpo (caixa de ressonancia) é bem maior. Seu braço também é mais longo, o que facilita a adaptação para quem toca violão.

O Barítono é o maior dos quatro exemplos que vimos aqui, seu tamanho é bem próximo ao de um violão. E não é somente isso que o faz lembrar. Sua afinação consiste nas mesmas quatro primeiras cordas do Violão E, B, G, D.

A diversidade de ferramentas na arte (quando falamos em arte estamos falando de música que é o nosso universo) é essencial para novas descobertas sonoras sendo elas rítmicas, melódicas e harmônicas, além da interatividade cultural diversa. Podemos dizer que o ukulele se tornou uma dessas ferramentas que é usada em diversos estilos e gêneros musicais.

Aprender um novo instrumento traz novas perspectivas de criação e experiências musicais diferentes que também nos auxiliam no instrumento que já dominamos.

 

-JOÃO PAULO ARAÚJO